Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná

Uma decisão liminar assinada pelo juiz Nereu José Giacomoli, da 3.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, garante aos delegados Renato Bastos Figueiroa e Danilo Zarlenga Crispin o direito de atuarem no Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre).

Devido a um incidente ocorrido na cidade de Gravataí-RS, em dezembro de 2011, onde um brigadiano militar do Rio Grande do Sul morreu em confronto com policiais do Tigre, a Justiça gaúcha havia proibido, em primeira instância, a atuação dos dois profissionais no Tigre. À época, Figueiroa era o titular do Tigre e Zarlenga seu adjunto. “Recorremos em primeira instância e não tivemos êxito. Esta semana impetramos um mandado de segurança no TJ e conseguimos começar a demonstrar a injustiça que vinha sendo feita”, explicou o advogado dos dois delegados, Marcus Vinícius Boschi.

Atualmente, Figueiroa é o titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) e Zarlenga é o adjunto da Delegacia de Furtos Roubos (DFR). “A volta deles ou não para o Tigre é uma questão que cabe ao delegado-geral, mas o importante é que agora não há nenhum impedimento legal, demonstrando o erro cometido pela Justiça em Gravataí”, afirmou o advogado.

Segundo Boschi, a decisão de mérito da 3.ª Câmara a respeito do caso provavelmente vá ocorrer somente em 2013.

http://www.policiacivil.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=6579


Cadastre-se

Cadastrar

Redes Sociais