RICARDO DELLA COLETTA E DAIENE CARDOSO – Agência Estado

Com as galerias tomadas de promotores e procuradores, a Câmara dos Deputados começou a dar vazão à “agenda positiva” criada para responder a manifestações que tomaram o País nas últimas semanas. Uma das matérias em tramitação na Casa mais atacadas pelos protestos, a Proposta de Emenda à Constituição que visava limitar o poder de investigação do Ministério Público, a PEC 37, foi amplamente rejeitada nesta terça-feira, 25, pelo plenário. A PEC contou com apenas 9 votos favoráveis e 430 contrários.

O presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), chegou a anunciar que a votação ocorreria no dia 3 de julho, mas a apreciação da matéria foi antecipada para atender o “clamor das ruas”.

Com a pauta de votações do dia cheia de projetos, Alves chegou a adotar uma manobra regimental para garantir que a PEC 37 fosse apreciada – e derrubada – ainda nesta noite. Ao final da sessão ordinária que debatia o projeto que destina os royalties do petróleo para a educação, Alves interrompeu a votação da matéria e convocou uma sessão extraordinária para discutir exclusivamente a PEC 37. Dessa maneira, evitou-se o risco de que, caso a votação dos royalties avançasse madrugada adentro, a apreciação da PEC 37 fosse prejudicada por falta de quórum.

Fonte:  http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,camara-rejeita-pec-37-por-430-votos-contra-apenas-9,1046939,0.htm

 

 

“O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná  –  SIDEPOL, Dr. Jairo Estorilio, lamenta o desfecho da votação realizada na Câmara dos Deputados,  sobre a PEC 37, tendo em vista que um assunto tão relevante foi distorcido por uma campanha midiática milionária de âmbito nacional, que distorceu os fatos e provocou a rejeição da emenda .”

 

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.