Nobres amigos Delegados de Polícia. Estamos nos aproximando de mais um final de ano que foi de muita luta para conseguir conquistar o óbvio. Infelizmente, foram tantos os direitos que nos foram negados ao longo deste ano que quando chegávamos ao objetivo final, os absurdos ao longo da caminhada tinham sido tantos que a “vitória” se é que podemos utilizar este termo, acabava tendo um gosto amargo de decepção. Assim ocorreu com as promoções dos Delegados de Polícia. Foi assim com a implantação destas promoções. Foi assim com o pagamento dos valores destas promoções. Foi assim com o pagamento das indenizações por remoção. E agora, tivemos mais uma “novidade” que é o parcelamento do terço de férias. Tudo para a Polícia, e em especial para o Delegado de Polícia é extremamente sofrido e difícil. Quando pensamos que iríamos ter o que comemorar neste final de ano, veio o tal “pacote” que atingirá em cheio os aposentados no momento mais crítico de suas vidas. Tivemos alguns avanços é verdade, mas as tristezas e decepções foram tantas que falar em avanço ou conquista neste ano soa como algo inverossímil. Para o ano vindouro as perspectivas também não são nada animadoras. Há mirabolantes projetos sobre segurança pública, cada um apresentando uma “novidade” cuja única serventia é enganar mais uma vez a população com um discurso falacioso de celeridade. Não quero sequer discorrer sobre o assunto, pois já tivemos tantas decepções que não compensa somar mais algumas. Com objetivos estratégicos conseguimos realizar o I Encontro nacional de Delegados de Polícia sobre Aperfeiçoamento da Democracia e Direitos Humanos em Foz do Iguaçu. Não tínhamos sequer concluído os Enunciados do Encontro e já fomos colhidos pela enxurrada de más notícias. Neste ano vindouro, os Delegados de Polícia serão as grandes “vitrines” , e a Operação “Lava-Jato”, embora elogiada em público por todas as autoridades, poderá representar o principal motivo para o fim da carreira de Delegado de Polícia, pois nenhuma autoridade que não tem compromisso com a ética, quer de fato uma Polícia Judiciária fortalecida, independente e altamente capacitada, pois a verdade é extremamente incômoda em nossa nação. Não sabemos o que virá pela frente com o desfecho final da citada operação, mas venha o que vier, precisamos estar preparados. Prosseguiremos com as ações para eliminação total das carceragens ilegais em Delegacias de Polícia. Continuaremos buscando meios para contratação de mais Delegados. Cumprimos neste ano algumas metas traçadas pela atual Diretoria e prosseguiremos firmes sempre enaltecendo a Polícia Judiciária e firmando o Delegado de Polícia como primeiro garantidor da liberdade e da justiça. Mostrar a verdadeira face da Polícia Judiciária é o que buscamos com o Pacto pela Moralidade, Legalidade e Cidadania que integra o Plano Nacional de Defesa Social e Aperfeiçoamento da Democracia. Sei que estas ações são alvos de muitas críticas, mas seguimos firmes, pois insistimos em acreditar que sem lutas não haverá vitórias. Sobre a questão salarial, em nenhum momento descuidamos deste assunto, sendo que há ação na justiça buscando a eliminação dos quinquênios por parte do SIDEPOL e ainda o pedido administrativo buscando o mesmo objetivo por parte da ADEPOL. Esperamos obter sucesso nestes pleitos, pois a questão salarial sempre foi motivo de aflição não só aos Delegados de Polícia , mas á todos os demais Servidores. Conforme prometemos, ajuizamos também a ação para cobrança dos atrasados desde a data da abertura da vaga e apesar do histórico do nosso Poder Judiciário de não concessão de nenhuma medida a favor dos Delegados de Polícia, insistimos em acreditar que obteremos a vitória. Acima de tudo, peço aos Delegados de Polícia que continuem firmes, não desistam, não desanimem, façam tudo o que estiver ao seu alcance em defesa da democracia, em defesa da verdade, em defesa da sociedade. A luta pode ser árdua e difícil, mas a caminhada se torna mais suave quando trilhamos o caminho da ética e do respeito incondicional aos Direitos Humanos. Que Deus abençoe a todos. 

Claudio MARQUES Rolin e Silva