Clipping: Foz sediará encontro de delegados de polícia

Foz do Iguaçu – PR – Encontro será entre de 6 a 9 de agosto e o tema principal é o aperfeiçoamento da democracia e direitos humanos. OII Encontro Nacional de Delegados de Polícia sobre perfeiçoamento da Democracia e Direitos Humanos terá como tema Estratégias de Enfrentamento à Corrupção. O encontro será realizado nos dias 6, 7, 8 e 9 de agosto, no Hotel Bourbon em Foz do Iguaçu.

O evento é realizado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná (Sidepol) e tem apoio da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil (Fendepol) e da Internacional Police Association (IPA Brasil – Seção 27).

O presidente do Sidepol/PR, delegado Claudio Marques Rolin e Silva (Foto), visitou A Gazeta e disse que a programação de palestras do evento será divulgada em breve e que as inscrições terminam em 20 de julho. Os interessados devem solicitar a ficha de inscrição por meio do e-mail secretaria@sidepol.org.br.

Inscrições

O pagamento da inscrição deverá ser feito via depósito bancário, na conta corrente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná. Após o depósito, enviar e-mail para secretaria@sidepol.org.br informando o pagamento e, caso o depósito não esteja indentificado, encaminhar o comprovante da transação.

Inamovibilidade 

O delegado Cláudio Marques é defensor intransigente da inamovibilidade para os delegados de polícia e do auxílio moradia e alimentação para servidores que ganham altos salários. “Enquanto não for aprovada a inamovibilidade dos delegados de polícia, o fim dos foros privilegiados, o fim das investigações promovidas apenas pelos próprios pares, e a efetiva devolução aos cofres públicos dos vergonhosos ‘auxílios’ alimentação e moradia para servidores que recebem os mais altos salários da administração pública, todo ‘pacote’ anticorrupção será mero expediente de corruptos engravatados para ludibriar mais uma vez a sociedade”.

“Combate à corrupção é um dever de todos”

Para o delegado Cláudio Marques Rolin e Silva, o combate à corrupção não é uma opção, e sim um dever de todo delegado de polícia, de todo servidor e de todo cidadão. “As verbas públicas desviadas em atos de corrupção, ou levianamente consumidas em auxílios ilegais e imorais para servidores que recebem os mais elevados salários da administração pública, devem ser revertidas em investimentos em segurança, saúde e educação”, afirma o delegado Marques.

“A devolução imediata desses valores – acrescenta o delegado Marques – é a única medida capaz de frear novos abusos. Esta luta é de todos, e para conter esses abusos há necessidade de profundas mudanças. Todo e qualquer “pacote” de medidas contra a corrupção que não contemple as mudanças será mero jogo de cena, simples expediente para iludir a sociedade e garantir a perpetuação da impunidade e da farra com dinheiro público”.

Entre as mudanças, o delegado Marques destaca: “Cerco total à corrupção, aos desvios e má utilização das verbas públicas, em todos os níveis de administração, por meio de ações preventivas de fiscalização e deflagração de investigações intensas pela Polícia Judiciária em todas as Unidades da Federação, com o objetivo de não só de punir, mas também recuperar os valores desviados e prevenir novos crimes”.

O delegado também defende a extinção de qualquer tipo de foro privilegiado, uma vez que todos são iguais perante a lei e pede a revogação de qualquer dispositivo legal que estabeleça que determinados servidores públicos e autoridades só possam ser investigados pelos próprios pares, por se tratar de odiosa e injustificável fonte de impunidade. “Corruptos são todos iguais, sejam autoridades ou não”, diz Marques.

 

Fonte: A Gazeta do Iguaçu – 08/05/2015