Excelentíssimo Sr. Presidente da República,

Como cidadão brasileiro e Delegado de Polícia, sinto-me no dever de me manifestar. Sou oriundo de uma família pobre e, quando criança, não conheci a fome porque meus honrados genitores nunca conheceram o significado da palavra “descanso”.
Recentemente escrevi um livro com o título Operação Sepulcros Caiados I – Desvendando a “face oculta” do Ministério Público brasileiro – e neste livro falo sobre a necessidade de aperfeiçoamento da democracia, discorro sobre a democracia de aparência e sobre a sociedade “hamsteriana”, que existe unicamente para “girar na roda” do pagamento de impostos, sem nenhuma perspectiva de melhora em sua condição social. Igualzinho a nossa democracia tupiniquim, em que as autoridades nunca pensam em servir à sociedade, mas apenas em locupletar-se com o suor desta.
Sobre o impeachement da Presidente Dilma, afirmei que com a medida “trocar-se-ia” apenas os atores, mas não o enredo da peça. Vejo que não me enganei diante das nomeações efetivadas pelo novo governo.
Vossa Excelência assumiu pedindo mais uma parcela de enorme sacrifício da sociedade para enfrentar a “grave crise” que assola a nação e afirmou que cortaria verbas da saúde e educação. Os trabalhadores entenderam que, como sempre, pagariam a conta final.
Na noite de 02 de junho, o Jornal Nacional exibiu uma comovente reportagem sobre um jovem casal que havia perdido o emprego, tinha muitas contas atrasadas e uma pequena filhinha para alimentar. O repórter tocado pela situação, termina abraçando o jovem pai, que após mostrar a geladeira vazia, tenta esconder as lágrimas que insistiam em rolar. Foi uma reportagem inédita e comovente. No dia 03 de junho, em nova reportagem a Rede Globo exibiu o quadro “Brasil Bonito”. Mais comovente ainda, pois falou de trabalhadores pobres, íntegros e solidários ao extremo.
Nesta mesma noite, Vossa Excelência protagonizou o quadro do “Brasil feio” ao anunciar o novo salário dos Ministros do Supremo que passará de R$33.000,00 para “míseros” R$39.700,00, quase três vezes mais do que ganha um Ministro da Suprema Corte da Suécia, um dos países mais ricos da Europa e um dos menos corruptos. O Jornal Gazeta do Povo (Paraná) ressaltou que o principal aumento foi de fato para os Ministros do STF. Em outro trecho afirmou que “A decisão de Temer foi tomada para evitar confrontos com as categorias, como o MPF e o TCU”. Uma atitude vergonhosa , uma verdadeira afronta aos empreendedores e trabalhadores deste país
Parece, Senhor Presidente, que vendo falhar todas as tentativas de “estancar” a Operação Lava Jato na fase investigativa, resolveram finalmente “comprar” o seu resultado final. Esta foi a mesma estratégia do “brilhante” Ministério Público do Espírito Santo com relação a “Operação Derrama”, deflagrada pela Polícia Judiciária Estadual e, habilmente “negociada” pelos astutos fiscais da lei, que anulou a operação alegando que ocorreu interceptação de autoridade com foro privilegiado.
Concordo com as correções salariais de todos os demais Servidores que há anos não recebiam sequer a reposição dos índices inflacionários, mas incluir no rol de beneficiados os “milionários” Ministros do Supremo e membros do MPF, é incompreensível em todos os aspectos. Com isso o efeito cascata beneficiará uma vasta gama de “mercenários públicos” que contando ainda com seus auxílios imorais, continuarão escarnecendo da sociedade que pagará a conta desta verdadeira farra.
Com a inclusão dos Ministros do STF, os políticos corruptos, impedidos momentaneamente de assaltar os cofres públicos, terão um substancial “aumento” para compensar um pequeno período de integridade “forçada”. É um caso notório de corrupção jurídica coletiva.
Vossas Excelências falam sobre o “conjunto da obra” para justificar o impeachment, mas que medida será adequada para julgar no futuro o “conjunto da obra” que Vossa Excelência está construindo em tão curto período de tempo? Seria a pena de morte?
É certo que os milionários Ministros do Supremo já afirmaram que os Policiais, por usarem armas, são proibidos de fazer greve. Entendemos e concordamos, mas diante da irresponsabilidade de nossos governantes e autoridades convém relembrar que os “homens que não podem fazer greve”, são os mesmos “homens que usam armas”. A imensa maioria dos Policiais que arriscam suas vidas todos os dias, recebe por mês um valor menor que o vergonhoso “auxílio moradia” pago aos milionários da máfia jurídica que já recebem os mais altos salários do funcionalismo.
Vossas Excelências só cometem estes abusos porque acreditam na proteção dos “homens que usam armas”, mas tenha absoluta certeza, Senhor Presidente, que persistindo o quadro de tamanha irresponsabilidade, em breve não haverá Força Policial disposta a enfrentar uma turba violenta para proteger autoridades corruptas que brincam de democracia.
A persistir a adoção de medidas dúbias e levianas haverá extremo perigo para a manutenção da ordem e da paz social, imprescindíveis para a normalidade democrática.
Convém alertar, Excelência, que não há Polícia no mundo que consiga conter uma revolta popular, gerada por autoridades que pensam que a sociedade existe apenas e tão somente para pagar impostos usados para saciar a fome cada vez mais voraz da classe política e da “máfia jurídica”. Está na hora de deflagrar a “Operação Lava-Toga” antes que o resultado final da “Operação Lava Jato” seja habilmente “negociado” no balcão de “sentenças” desta democracia de aparência.

Marques Claudio Rolin e Silva.
Delegado de Polícia do Paraná.
Coordenador Geral de Ações da Comissão de Direitos Humanos Irmãos Naves.
www.fimdoforoprivilegiado.com.br