Fuga de presos da Delegacia de Piraquara, na RMC

Foto: Átila Alberti / Tribuna do Paraná

No dia 16 de novembro (sábado), tivemos a lamentável notícia de mais uma fuga de presos de carceragem de Delegacia de Polícia, desta vez na Comarca de Piraquara, cidade metropolitana de Curitiba. Na mesma data,
na Comarca de Ibiporã, houve outra tentativa de fuga, esta sem êxito. Infelizmente, fugas e tentativas “pipocam” em todo o Estado.

Na fuga que ocorreu na cidade de Piraquara, os detentos desferiram uma uma pancada na cabeça do policial no momento em que ele passava aos presos o café da manhã. A Delegacia tem capacidade para abrigar oito presos e estava com 34 presos, sendo que destes 15 fugiram. Felizmente, desta vez o policial não corre risco de vida, tendo sido prontamente atendido no UPA. Na fuga os presos levaram várias armas da delegacia, além da arma do Policial.

A superlotação das carceragens das Delegacias é um problema recorrente no Paraná. Candidatos ao Governo estadual sempre adotam em seus discursos que, se eleitos, resolverão a questão de presos em Delegacias, além de afirmarem que a Polícia Judiciária não tem como uma de suas funções a custódia de presos. Entretanto, entra Governo e sai Governo, a situação em relação aos presos recolhidos indevidamente em Delegacias continua. A ilegalidade é patente e nada se faz!

Com o atual Governador Ratinho Jr., não está sendo diferente dos demais. Ele prometeu dar atenção especial para a Segurança Pública, relevou a área da segurança como uma das mais importantes a ser cuidada. Chegou a discursar demostrando indignação com o descaso com que a segurança Pública sempre foi tratada pelos Governos anteriores. Passado o período eleitoral, veio a posse, ele está no Governo há 11 meses e ainda não mudou absolutamente nada.

Durante a campanha, todos os candidatos foram convidados a comparecerem na Adepol (Associação dos Delegados de Policia do Paraná) para um jantar na sede da associação, onde haveria a exposição das suas ideias, propostas para a área da Segurança e, em especial, para conhecerem as propostas e anseios específicos dos Delegados de Polícia. Ratinho Jr., foi um dos mais entusiastas dentre os candidatos ao Governo, prometeu dar uma atenção especial às nossas reivindicações, estudar e apresentar soluções as questões relacionadas à presos nas delegacias, frisou que a Polícia Civil não tem obrigação da guarda de presos, que está desviada de suas atribuições. Prometeu manter um canal de negociação com os Delegados, nas questões de reajuste de salário e em ouvir nossa classe. Entretanto, agora como Chefe do Poder Executivo, não é isto que ocorre. Nosso Governador parece que ainda está em campanha fazendo promessas, chegamos a pensar que almeja uma candidatura a nível nacional. Tal fato muito nos preocupa, pois se não está conseguindo nem resolver o problema dos presos no Paraná, imaginem eventualmente no Brasil.

Por outro lado, retirou dos funcionários públicos do Paraná o direito ao gozo da licença especial, na qual o funcionário após cinco ou dez anos de serviço cumprido teria direito a uma licença de três ou seis meses, conforme o tempo trabalhado. Vale dizer que para fazer jus a este direito, o funcionário não poderia no período ter faltas, devendo cumprir requisitos de funcionário exemplar.

O Sidepol PR (Sindicato dos Delegados de Policia do Paraná) está atento aos erros e acertos deste Governo. Mesmo com poucos recursos financeiros, não pouparemos esforços para defender os interesses da classe dos Delegados de Polícia. Adiantamos que além do fato de estarmos há mais de quatro anos sem reajuste de salário, estamos focando nossos esforços para restabelecer nosso poder aquisitivo.

Também é alvo das nossas preocupações a situação das condições de trabalho da Polícia Civil, especialmente a falta de pessoal. Estamos, através do nosso Departamento Jurídico, estudando a viabilidade de ações judiciais, em especial as relacionadas a custódia indevida de presos nas Delegacias. A diretoria do Sidepol encontra-se empenhada nestas questões e também em outras tantas necessárias.

Oportunamente, para que o Sindicato possa atender os anseios da classe, será necessário o envolvimento e a participação de todos os Delegados e Delegadas. A força do interior será de relevante importância.

Antonio Simião

Presidente do Sidepol ( Sindicato dos Delegados de Policia do Paraná).