Sidepol PR realizará encontro de entidades representativas das categorias de segurança pública do Estado

Por iniciativa do SIDEPOL, em proposta aprovada na reunião de diretoria datada de 1.º/11/2019, está marcado para o próximo dia 21 do corrente, às 14 horas, o primeiro grande encontro das entidades representativas das categorias ligadas à segurança pública, dentre as quais foram convidados o SINCLAPOL, SINDEPOL (Londrina), União da Polícia Civil, Agentes Penitenciários, Peritos Oficiais, Associação da Vila Militar, AMAI e outras entidades ligadas à Polícia Militar do Estado do Paraná e Polícia Civil. Naquele encontro, que ocorrerá nas dependências do SIDEPOL, serão discutidas estratégias efetivas que poderão ser adotadas por todas as categorias, no sentido de pressionar de maneira contundente o Governo do Estado ao pagamento da reposição inflacionária dos últimos quatro anos, assim como a interromper definitivamente quaisquer outras retiradas de direitos do funcionalismo público, algumas causas em comum a cada uma das categorias, outras com pleitos coletivos que aproveitam a todos.

Estará em discussão, entre outras medidas de protesto, a proposta da realização do “enterro simbólico” dos deputados chamados da “Segurança Pública” que votaram contra o funcionalismo público na questão do fim da licença-prêmio. Também se discutirá a possibilidade de se embaraçar a realização da OPERAÇÃO VERÃO 2019, tendo em vista tratar-se de uma prestação de serviço cara, midiática e política, que só atende aos interesses dos mais abastados financeiramente, enquanto que todo o restante do Estado do Paraná fica ainda mais desfalcado de recursos humanos, armamento e veículos. A proposta será a da realização de um movimento coeso para desestimular policiais civis e militares de participarem da mencionada OPERAÇÃO VERÃO, e de receberem em contraprestação apenas uma diária insuficiente para pagar a locação de um alojamento digno e refeição minimamente decente. O valor de R$ 180,00 (cento e oitenta reais) que o Estado paga aos policiais por dia é a prova do desprezo que o Governador Ratinho tem pelas instituições policiais – enquanto que para o pessoal do Poder Judiciário e do Ministério Público o valor é de R$ 730,00 (setecentos e trinta reais). Não somos mais, nem menos que estes servidores, e estaremos exigindo tratamento isonômico.

É fácil se depreender que o SIDEPOL mudou radicalmente sua estratégica na luta pelas reivindicações. O perfil do atual Governador já demonstra seu desapreço com o funcionalismo público, e por tal razão temos a convicção de que as famosas “mesas de negociação” não nos levarão a lugar nenhum. É preciso contundir Sua Excelência, o Governador Ratinho, desconstruir a sua imagem de “bom moço”, e impedir que se reeleja ou até mesmo que se apresente como futuro candidato a Presidente do Brasil. É fundamental que se mostre aos paranaenses as verdadeiras causas da alegada ausência de saldo nos cofres do erário para pagar ao menos as reposições inflacionárias, e uma delas certamente é a má aplicação do dinheiro público na contratação de amigos do Governador para cargos comissionados, em número nunca antes visto no Estado do Paraná.

O perfil de atuação do atual Governador Ratinho Júnior não é diferente do seu ex-líder e amigo Beto Richa, de quem foi Secretário e apoiador com sua bancada na Assembleia Legislativa do maior golpe contra os funcionários públicos do Estado, que foi a retirada de recursos da Paraná Previdência para saldar o rombo existente no caixa do Estado, fato que poderá impedir num futuro não muito distante, o recebimento das nossas aposentadorias. Quem viver, verá.

Luiz Antonio Zavataro
Diretor Jurídico do SIDEPOL Paraná